Saúde
EMail

Grande parte das atividades do Instituto Nacional de Pesquisa Brasil Plural direcionadas para impactos sociais e difusão no campo da saúde encontram-se vinculadas à rede Saúde: práticas locais, experiências e políticas públicas. No subprojeto Cuidados de si e políticas da vida essas atividades incluem: a participação no GT de Desinstitucionalizacão da Saúde Mental no Estado de Santa Catarina, desde 2006; a reflexão sobre as políticas públicas em saúde mental e sobre o processo da Reforma Psiquiátrica brasileira, trazendo subsídios, dados e material etnográficos obtidos a partir de pesquisa qualitativa junto às populações e comunidades que são sujeitos alvo das políticas públicas de saúde; iniciativas que tem como objetivo conferir visibilidade aos modos locais de cuidado com saúde, corpo e subjetividade, para assim subsidiar e trazer elementos para revisão e produção de políticas públicas nesse campo; a reflexão crítica sobre as políticas de saúde da mulher e de gênero, trazendo subsídios para se repensar os modelos biomédicos e biologizantes do corpo e da experiência subjetiva das mulheres.

Envolvendo os subprojetos Práticas de Autoatenção, redes, itinerários e políticas públicas e Saúde e diversidade em contextos brasileiros: atenção e autoatenção à saúde e trabalhadores indígenas, as atividades até o momento envolveram duas iniciativas. A primeira, que teve lugar em maio de 2011, foi a realização de uma oficina para a equipe multiprofissional de atenção básica à saúde indígena que atua na Terra Indígena Xapecó, Santa Catarina, visando divulgar e discutir os principais resultados do projeto Avaliação do modelo de atenção diferenciada aos povos indígenas: os casos Kaingáng (SC) e Munduruku (AM), realizada nos anos de 2009 e 2010 e financiada pelo CNPq e pela FUNASA. A segunda foi a realização de uma reunião para apresentação dos resultados desta pesquisa para o DSEI Interior Sul, realizada em junho de 2011 nas dependências da Coordenação Regional da FUNASA, em Florianópolis.